Fique de olho!

 

O ano de 2020 foi atípico para os produtores de leite:  o preço do leite chegou a patamares nunca antes atingidos, mas os insumos para a produção também acompanharam esse movimento, aumentando significativamente os custos de produção.

No início da pandemia da COVID-19 no Brasil, em meados de março de 2020, as tendências do mercado lácteo estavam muito incertas e os produtores desestimulados a elevar a produção de leite. Como resultado, foi nesse mês registrada a menor produção média de leite dos últimos 12 meses para os produtores do Educampo, como mostram os dados no Gráfico 1.

 

Gráfico 1 – Produção média (litros/dia) e preço médio do leite (R$/litro) no período de novembro/19 a outubro/20 dos produtores participantes da Plataforma Educampo

 

 

Fonte: Sebrae Minas – Educampo. 189 fazendas analisadas no período de novembro/19 a outubro/20. Dados corrigidos pelo IGP-DI de outubro/20.

 

Com o avanço da COVID-19, a partir do mês de abril de 2020, o governo disponibilizou auxílios emergenciais para os brasileiros, o que elevou o poder de compra da população. Dessa forma, a demanda por produtos lácteos aumentou significativamente, enquanto a produção de leite estava abaixo da média anual. O somatório das duas variáveis (aumento da demanda de lácteos e uma baixa oferta de leite) fez com que os preços pagos ao produtor chegassem a patamares muito altos.

Podemos verificar, nos dados organizados no Gráfico 1 que, no mês de agosto de 2020, o preço médio do leite pago aos produtores participantes da Plataforma Educampo foi R$ 2,21 por litro de leite e a produção média foi de 2.200 litros por dia. No entanto, durante este mesmo período, os preços dos insumos, principalmente os vinculados ao concentrado, também se elevaram a patamares nunca antes observados.

Avaliando o Gráfico 2, podemos notar que houve uma expressiva variação nos gastos com concentrado, volumoso e mão de obra contratada no período avaliado. Em novembro de 2019, o somatório destes três elementos era de R$ 21,34 por vaca em lactação por dia enquanto, no mês de outubro de 2020, estes três elementos somaram R$ 25,57 por vaca em lactação por dia, uma diferença diária de R$ 4,23 por vaca em lactação.

 

Gráfico 2 – Gasto com concentrado, com volumoso e com mão de obra contratada (R$/vaca em lactação/dia) e renda menos gasto com concentrado, volumoso e mão de obra contratada (R$/vaca em lactação/dia) das propriedades participantes da Plataforma Educampo

 

Fonte: Sebrae Minas – Educampo. 189 fazendas analisadas no período de novembro/19 a outubro/20. Dados corrigidos pelo IGP-DI de outubro/20

 

Por outro lado, mesmo com o aumento do custo de produção do leite, podemos observar um aumento significativo da receita subtraída das três principais despesas nos últimos meses analisados. Em abril de 2020, este indicador atingiu o menor patamar dentre os meses analisados (R$ 11,85 por vaca em lactação por dia), porém nos meses seguintes houve grande progresso desse indicador. Em agosto de 2020, devido ao maior aquecimento do mercado lácteo, foi observado o melhor resultado, R$ 26,67 por vaca em lactação por dia.

Em tempos de incerteza, ficar atento ao comportamento do mercado e monitorar os indicadores mensais da produção de leite na sua fazenda tornam-se ainda mais relevantes. Para não comprometer os resultados econômicos devido às oscilações de mercado, trace estratégias visando equilíbrio nos custos, sobretudo dos três principais elementos de despesa da atividade.  Fique de olho!