A importância da gestão técnica e econômica na produção de leite

 

 

 

A nutrição das vacas tem impacto considerável na produção de leite, visto que afeta diretamente seu volume e composição, o escore corporal das vacas, dentre outros fatores inerentes à produção. Por isso, o gestor da fazenda precisa avaliar cuidadosamente a composição da dieta fornecida para evitar prejuízos financeiros do seu negócio rural.

Quando se trata da ingestão de matéria seca, o milho é hoje um grande aliado por fornecer a energia necessária às vacas, sendo um dos grãos mais utilizados na alimentação animal do Brasil. Mas as variações de preços desse cereal no mercado podem interferir no custo de produção do leite, ocasionando o desequilíbrio econômico-financeiro e comprometendo o futuro da propriedade, já que a alimentação representa o maior gasto na composição dos custos operacionais de fazendas leiteiras.

Diante disso, qual a estratégia ideal a ser usada pelo gestor? Para aprofundar nesse assunto, conversamos com o consultor Bruno Magalhães Cardoso, Médico Veterinário do Educampo Leite, há 13 anos. Por meio da parceria firmada com a Cooperativa Agropecuária Vale do Rio Doce, Bruno atende 18 fazendas leiteiras na região de Governador Valadares.

Na entrevista, que você confere a seguir, ele fala sobre suas experiências práticas no dia a dia do campo e as estratégias utilizadas para garantir a nutrição adequada das vacas e a rentabilidade do produtor, abordando as decisões tomadas para minimizar os impactos causados em época de alta de preços do milho.

 

 

 

 

Como as estratégias para a compra de insumos, em especial, milho, impactam nos resultados da produção de leite?

O impacto dessas estratégias que interferem diretamente no gasto com concentrado é muito relevante, basta lembrarmos que o gasto com esse insumo é, na maioria das fazendas, o maior custo na produção de leite. Então, tem-se um efeito bem positivo na redução dos custos operacionais da atividade. É algo cujos resultados são percebidos no curto prazo. É bem interessante quando nós consultores conseguimos trabalhar bem esse indicador nas propriedades participantes do Educampo.

 

O que você elege como sendo essencial para equilibrar o gasto com concentrado?

Para equilibrar o gasto com concentrado é essencial que a fazenda tenha uma dieta bem balanceada, com a estratégia de fornecimento bem definida e seguida à risca. É comum chegarmos a algumas propriedades e observarmos o uso do concentrado bem desequilibrado, em situações do tipo: vacas de baixa produção, com baixa exigência nutricional, consumindo dietas com potencial muito além daquilo que elas poderiam responder e desperdício de concentrado com dietas em quantidade superestimada. Isso tem impacto bem significativo no custo operacional da fazenda.

Nesse sentido, acho que dois fatores são os mais importantes para se ter um equilíbrio nos gastos com concentrado. Em primeiro lugar, é ter uma dieta bem balanceada. E em segundo lugar, realizar uma compra bem-feita. Saber comprar no momento certo e negociar bons preços de insumos em momentos estratégicos é essencial!

 

Muitos produtores restringem o fornecimento de concentrado diante a cenários de alta de insumos, quais impactos isso pode ocasionar?

Restringir o fornecimento de concentrado nem sempre é a melhor estratégia em um cenário de alta de insumos. Primeiro, porque restringir o concentrado impacta naturalmente na redução do potencial produtivo da vaca. Ou seja, se diminuímos o concentrado da dieta, a produção de leite consequentemente diminui.

Outro ponto é o impacto da diminuição de concentrados na dieta na reprodução das vacas. Quando a dieta fica desbalanceada, a vaca acaba tendo prejuízos reprodutivos que, provavelmente, serão manifestados na próxima lactação.