Porque você deve separar as vacas em lotes pré-parto para melhorar a produção de leite

A produção de leite demanda cuidados diários permanentes com as vacas. A avaliação da alimentação, das condições de saúde e do ambiente são apenas alguns deles. Você precisa estar atento às inúmeras condições existentes em um rebanho, afinal, há vacas de alta produção, vacas de baixa produção, vacas em lactação, vacas secas, vacas prenhes e cada uma delas exige atenção diferenciada.

Especificamente no caso das vacas que estão perto de parir, existem fatores que precisam ser acompanhados com maior atenção, como o escore corporal, a nutrição e os sinais de parto. Esse é um momento desafiador para as vacas, pois nessa fase, o seu metabolismo está trabalhando na potência máxima. Uma preparação e cuidados adequados são fatores-chave para que esse momento ocorra sem qualquer intercorrência grave ao animal ou ao bezerro. Mas os cuidados com a vaca e sua cria devem começar muito antes do parto.

Uma alternativa utilizada há muitos anos para garantir esses cuidados é o lote pré-parto, que consiste na separação dos animais cerca de 30 dias antes do parto do restante dos animais em período seco. Esse manejo permite realizar um monitoramento mais assíduo da alimentação, da ambiência e da sanidade das vacas em pré-parto.

O investimento em um ótimo manejo nessa fase será recompensado com menos problemas na lactação seguinte e pode, também, contribuir para uma produção de leite mais alta. O período seco dura em média 60 dias, tempo o qual a vaca deve passar por dois grupos, que aqui no Brasil são denominados de “vacas secas” e “pré-parto”. No grupo de “vacas secas” estão os animais entre a secagem e três semanas antes do parto. Após esse período elas são agrupadas no “pré-parto”.

Quando esses cuidados são negligenciados, podem ocorrer graves problemas na parição e, consequentemente, um desempenho produtivo aquém do esperado tanto da vaca quanto da bezerra que acabou de nascer.

 

Impacto do não agrupamento de vacas em lotes pré-parto

Após o parto, as vacas ficam muito vulneráveis e demandam atenção constante. É nessa hora que as consequências da não utilização do lote pré-parto surgem. Um dos grandes dilemas da atividade leiteira é que muitos gestores ainda não se atentaram para a importância desse momento para o ciclo produtivo da vaca.

Nesse contexto, para verificar em números o impacto do lote pré-parto e seu reflexo nos resultados técnicos e econômicos da propriedade leiteira, foram comparadas informações de 257 propriedades participantes do Educampo Sebrae Leite que utilizam ou não o lote pré-parto. Confira na tabela abaixo os resultados obtidos:

Algumas pesquisas mostram que, quando um animal não recebe uma alimentação balanceada durante os 30 dias antecedentes ao parto, sua produção no pico de lactação pode reduzir de 2 a 5 litros por dia. Além disso, esses estudos demonstraram que os mesmos animais apresentam uma redução na persistência da lactação, perdendo até 200 litros durante a lactação, o que geraria uma redução final de cerca de 400 a 1.000 litros por vaca.

A diferença média de produção, por vacas em lactação, entre os dois grupos foi de 4,77 l/vaca/dia, nos 12 meses avaliados. Essa diferença pode ser explicada por uma série de razões, como potencial produtivo dos animais, alimentos de qualidade etc. No entanto, o item manejo e utilização do lote pré-parto foi um diferencial no resultado e não pode ser considerado uma coincidência.

Esse diferencial é evidente quando consideramos uma série de outros indicadores que comprovam a eficácia do manejo, tais como:

  • Redução da CCS média do período;
  • Maior produção por vaca em lactação considerando o intervalo de partos;
  • Maior número de vacas em lactação em relação ao total de vacas;
  • Menor gasto com medicamentos em relação à renda bruta da atividade leiteira.

 

Percebe que as vacas respondem quando o manejo no pré-parto é feito adequadamente? O ideal é que o gestor da propriedade reflita sobre as estratégias que precisam ser desenvolvidas para alcançar os melhores resultados técnicos e econômicos na propriedade. Há alguns questionamentos que podem ser feitos para avaliar o resultado de cada propriedade. Por exemplo, responda a essas perguntas:

  • Qual é a melhor forma de fazer um lote pré-parto em minha propriedade?
  • Já tenho um lote pré-parto. É eficiente? Tenho resultados?
  • Em quais pontos há falhas no lote pré-parto e como posso melhorar o meu manejo?

 

Diante de suas respostas, quais ações serão tomadas? Pense bem: pequenas mudanças podem representar grandes resultados.