Benchmarking: o que você pode aprender com outros produtores de leite

Empreender pode ser um desafio para muitas pessoas, principalmente para quem sonha em crescer e se desenvolver com excelência e eficiência. Nesse contexto, conhecer novas experiências e novas formas de executar uma tarefa pode ser decisivo para evitar alguns percalços comuns a qualquer negócio. Especificamente falando sobre a pecuária leiteira, é essencial que o gestor da fazenda analise seus processos, práticas, estratégias e faça uma avaliação comparativa olhando para si mesmo e para outros produtores de leite, afim de conhecer o melhor cenário e enxergar suas potencialidades. Isso vai contribuir para que sejam evitados os mesmos erros cometidos por outros produtores, além de servir de inspiração para novas ideias, com base no que já foi realizado e deu certo.

Essa ferramenta de gestão é chamada de benchmarking e consiste em aprender com outras empresas. Pode ser aplicado a qualquer processo e é relevante para qualquer organização, tendo em conta que se trata de um instrumento que vai contribuir para melhorar o desempenho da empresa. Para os produtores de leite, há a possibilidade de fazer diversos tipos de análises. É possível comparar cenários, regiões produtoras de leite, sistemas de produção, níveis de produção e produtividade, por exemplo.  

Mas você deve estar pensando: “Eu não consigo e não sei fazer isso”. Esse pensamento é aquele que muitas vezes faz com que as fazendas fiquem estagnadas e percam rentabilidade. Qualquer produtor – de pequeno, médio ou grande porte – pode aumentar a eficiência de sua propriedade e tomar decisões mais precisas. Diante disso, comece a colocar em prática instrumentos que vão te ajudar a crescer e a fortalecer o seu negócio.

 

Como utilizar o benchmarking na pecuária leiteira?

A utilização de benchmarkings nas discussões gerenciais deve ser feita de forma cautelosa, visto que, ao compararmos resultados entre negócios rurais, devemos ter a sensibilidade de trabalhar em realidades próximas e, no mínimo, possíveis de serem alcançadas.

Para a elaboração de um benchmarking, os consultores especialistas do Educampo utilizam alguns indicadores para nortear as análises, que normalmente são empregados para a definir o benchmarking mais adequado. Entre eles:

  • Vacas em lactação/total de vacas (%)
  • Vacas em lactação/total do rebanho (%)
  • Produção anual/mão-de-obra permanente (litros/dias homem)
  • Custo operacional total/preço do leite (%)
  • Gasto com concentrado na atividade leiteira /renda bruta do leite (%)

Esses são apenas alguns dos indicadores mensurados pelos consultores especialistas do Educampo Sebrae durante as visitas técnicas realizadas nas propriedades.

 

Aprenda na prática como funciona o benchmarking

Vamos a um exemplo prático de benchmarking em fazendas produtoras de leite. Usando dados reais da plataforma Educampo Sebrae, os consultores especialistas traçaram um perfil dos produtores de leite em Minas Gerais, estado que lidera a produção de leite no país, visando buscar comparativos e demonstrar a curva de crescimento potencial existente. O estudo foi desenvolvido com dados gerados entre maio de 2018 e abril de 2019 de 465 propriedades participantes do Educampo. Para isso, as fazendas foram divididas em dois grupos, a partir do resultado econômico obtido pelo indicador taxa de remuneração do capital investido considerando a terra (permite avaliar a atratividade do negócio com base no capital investido na produção de leite, composto de valores da estrutura da propriedade, benfeitorias, maquinário, animais e da terra) mensurado pelo Educampo. As fazendas que obtiveram os melhores resultados foram classificadas como superiores e as com os menores resultados como inferiores.

Constatou-se que as fazendas do grupo com os melhores índices possuem produção média por vaca em lactação de 21,60 litros/dia, sendo que 82,47% das vacas do rebanho estão em lactação. Já as fazendas inferiores em rentabilidade apresentam média de produção de 16,84 litros/vaca/dia e têm 76,26% do seu rebanho de vacas em produção de leite.

Veja o gráfico:

Isso significa que existe uma diferença de aproximadamente 5 litros/vaca/dia em relação aos animais das propriedades e uma média de vacas em lactação maior naquelas com o melhor aproveitamento da terra. Ou seja, há maior número de vacas produzindo maior quantidade de leite.

Vamos supor que o rebanho tenha 100 vacas. Nas propriedades com os melhores resultados em rentabilidade a média de vacas em lactação é 82,47, ao passo que naquelas com resultados inferiores há 6 vacas a menos em lactação. Isso quer dizer que as propriedades mais bem avaliadas economicamente produzem, em média, 494 litros/dia a mais do que as com menor aproveitamento.

Agora, ao analisar o custo total de produção do leite, nas fazendas inferiores esse valor médio chegou a R$ 1,76/Litro, enquanto no grupo das superiores a média foi de R$ 1,28/Litro. Se considerarmos o valor de referência do litro de leite, por exemplo, em Minas Gerais, pago pelos laticínios, no mês de junho/2019 (R$ 1,50), as fazendas superiores teriam lucro de R$ 0,22 por litro de leite vendido, e as fazendas com menores resultados um prejuízo de R$ 0,26 por litro de leite.  Totalizando um prejuízo de aproximadamente R$ 90 mil no ano.

Confira:

Se a análise for feita considerando o uso da área destinada para a pecuária, as fazendas com as melhores taxas de aproveitamento produzem mais de 11,1 mil litros por hectare no ano, enquanto o outro grupo produz apenas 4,5 mil litros/ha/ano. Uma perda equivalente a R$ 10 mil por hectare, considerando a remuneração pelo litro leite a R$ 1,50.

Quando analisamos, porém, o estoque de capital investido em benfeitorias, máquinas, animais e terra, por exemplo, nas fazendas com índices superiores a renda bruta da atividade leiteira é maior, e o estoque de capital, menor, ou seja, existe menor investimento e maior lucratividade do negócio.

Diante dessa análise, já deu para perceber que para manter a sustentabilidade do negócio é preciso descobrir seu ponto de equilíbrio. Isso quer dizer que a fazenda deve ter volume produtivo suficiente para manter os custos operacionais e a mão de obra, visando maior lucratividade.

Viu que você pode se capacitar e aumentar a sua produção e sua renda usando como exemplo outros produtores de leite? Conte com o apoio dos consultores especialistas e da inteligência gerencial da plataforma do Educampo Sebrae para continuar crescendo.